Após repercussão, cirurgia de Caio é liberada

02/05/2017 (17:30)

Caio Inácio, de dez meses, já está com a avaliação cirúrgica marcada (Luiza Felipe)

Apenas três dias após a veiculação da matéria do Sou Notícia, Jaqueline Inácio recebeu a notícia de que a cirurgia de seu filho Caio Inácio havia sido liberada. Caio, de apenas 10 meses de idade, precisa fazer uma cirurgia de correção dos pés em até dois meses. Se nesse prazo essa cirurgia, que deveria ser oferecida pelo SUS, não fosse feita, o bebê ficaria impossibilitado de andar. Entretanto, após outro relatório enviado pelo município de Itabirito, o bebê finalmente fará a cirurgia pela qual espera desde novembro do ano passado.

Relembre a notícia divulgada pelo Sou Notícia: Bebê de Itabirito precisa de cirurgia para andar

A solução

Caio nasceu com pé torto congênito, isso quer dizer que os pés dele são virados e se não forem corrigidos não terão sustentação para que ele ande. De acordo com sua mãe, Jaqueline Bernadete Inácio, isso se deu devido a forma como ele foi gerado no útero. Durante toda a gestação, Caio permaneceu em uma posição desfavorável e, à medida em que seu corpo crescia, seus pés entortavam para abrir espaço para o desenvolvimento de seu corpo.

Jaqueline Inácio (foto) irá levar o filho Caio para a avaliação cirúrgica já nesta sexta-feira, 05 (Sou Notícia)

O bebê, que já tem 10 meses de idade, precisa fazer uma cirurgia reparadora até completar um ano. Depois disso, a operação não teria mais eficácia, pois as articulações endurecem. A resolução para esse problema apareceu no fim da tarde da última sexta-feira, 28. Jaqueline recebeu uma ligação da Secretaria de Saúde de Itabirito, informando acerca da liberação do procedimento. “A secretaria do município me ligou e falaram que a cirurgia do Caio já estava liberada. Fui até lá e soube que, de fato, era verdade e que sexta-feira, dia 05, ele fará a avaliação cirúrgica, no Hospital das Clínicas de Belo Horizonte”.

Ainda de acordo com a mãe, foi uma alegria imensa receber a notícia. “Eu fiquei surpresa e não aguentava de felicidade. Não conseguia nem falar na hora. Estamos todos, em minha família, muito felizes e ansiosos”, declara.

De acordo com o secretário de Saúde de Itabirito, Wolney de Oliveira, a prefeitura refez o relatório do Caio e pediu reavaliação do caso em Belo Horizonte. “Refizemos o relatório que o nosso médico auditou, então entendemos que eles se sensibilizaram por lá. Eles entenderam a urgência, pois, caso não fosse feita agora a cirurgia, seria uma lesão permanente. Nós trabalhamos com uma rotina de reenviar constantemente as solicitações que chegam para nós, mesmo sabendo que a porta lá (BH) está fechada, até mesmo para haver um registro de que houve a negativa, porque senão fica tudo fica parado na gaveta”, declara.

O secretário declarou, ainda, que as cirurgias de média complexidade dos municípios do interior estão sendo barradas em Belo Horizonte. Tudo isso porque o Estado está em dívida com os municípios quanto ao repasse de verba para a saúde, o que fez com que Belo Horizonte não tenha mais recursos suficientes para atender ]às demandas do interior.

“Foi feito um levantamento pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS MG) em que foi apontado que o estado está com uma dívida de 1 bilhão e 500 milhões de reais com os municípios mineiros. Só em Itabirito, a dívida deles é de quatro milhões. Em BH, me parece que é 198 milhões. Então, com essa dívida, o município de BH está sem saber o que fazer, como agir. A solução que BH encontrou foi paralisar o atendimento. Só que assim eles estão punindo os municípios pactuados. É importantes ressaltar que não é esse dinheiro que possibilita cirurgias, elas são feitas através de um pacto entre os municípios e Governo Federal. Existem, assim, cotas que são atendidas em Belo Horizonte, de média complexidade e alta complexidade, as de média complexidade estão barradas”, esclarece o secretário.

Ainda segundo Wolney, o município de Itabirito, junto às outras cidades da região, tem pensando em soluções práticas para o problema, já que fazer uma nova pactuação com Belo Horizonte não garante o atendimento de pacientes na cidade. “Em nossa região, estamos verificando o que conseguimos ofertar para Ouro Preto e Mariana e vice-versa, de forma a pactuarmos entre nós. Na semana passada nos reunimos e amanhã à tarde haverá uma nova reunião. Estamos nos mobilizando para dar uma ‘apertada’ em Belo Horizonte, mas precisamos de outros municípios para termos mais força. É muito complexo isso, não é fácil de se explicar, pois são várias instâncias envolvidas”, acrescenta.

Ainda não há data definida para a cirurgia.

Agradecimento

Após o retorno quanto ao seu apelo, Jaqueline fez questão de agradecer aos itabiritenses pela solidariedade. Ela ainda declarou que o valor arrecadado pela campanha será utilizado, integralmente, no tratamento do filho. “Gostaria de agradecer a todos que compartilharam a notícia, que ajudaram a divulgar, e aos que contribuíram. Agradeço de coração. Recebemos, ao todo, a quantia de 512 reais e vamos usá-la no tratamento do Caio. Ainda precisamos comprar a botinha dele e nem sabemos o valor ainda”, pontua.