Campanha de vacinação contra a gripe tem baixa adesão

15/05/2017 (16:20)

A expectativa é que 5,5 milhões de pessoas sejam vacinadas, até o dia 26 de maio, data que termina a campanha (Divulgação/Internet)

A Campanha de Vacinação contra a gripe teve início no dia 17 de abril apresenta baixa cobertura em Minas Gerais. Até o momento foram aplicadas apenas 1.024.297 doses da vacina em todo o estado, o que corresponde a pouco mais de 24,6% do público alvo da campanha.

Para alcançar a meta de imunizar 90% do público alvo, estimado em 5,5 milhões de pessoas, até o dia 26 de maio, data que termina a campanha, o médico epidemiologista da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES), José Geraldo Leite Ribeiro, convoca a população prioritária e reforça que a vacinação é uma das principais formas de prevenção contra a gripe.

“Alguns grupos da sociedade têm direito a vacina contra a gripe pelo SUS. E tomar a vacina é uma maneira de exercer seu direito e ficar protegido contra as formas graves da doença. Portanto, pessoas com 60 anos ou mais de idade, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, povos indígenas aldeados, população privada de liberdade e portadores de doenças crônicas não transmissíveis (diabéticos, cardíacos, problemas pulmonares crônicos, entre outros). Também estão incluídos, os professores das escolas públicas e privadas”, explica Ribeiro.

A aposentada Rosângela de Souza Ferreira, que faz parte do grupo prioritário, relata que participa da campanha todos os anos. “Antes tinha medo de tomar a vacina, medo de ter alguma reação e ficar gripada. Aí optava por não tomar. Mas depois que peguei uma gripe muito forte e fiquei acamada, passei a tomar a vacina todos os anos. Agora estou protegida, pois posso até ficar resfriada, mas não chega a ser igual a quando eu não ia receber a dose”, relata.

  Gripe

Considerada uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório, a gripe é transmitida por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas pode levar o agente infeccioso direto à boca, olhos e nariz.

De janeiro de 2017 até o início de maio foram registrados 32 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave causada por Influenza, sendo que 5 foram pelo tipo B, 1 pelo tipo A/H1, 23 pelo tipo A/H3N2 e 3 pelo tipo A não subtipado ou sem informação. Destes, quatro evoluíram para óbito.

A faixa etária mais acometida é de pessoas acima de 50 anos, totalizando 57% dos casos confirmados. Em 2016 foram registrados 1.059 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por Influenza, sendo que 623 pelo tipo A/H1N1. No ano, 291 óbitos foram confirmados por causa da doença.