GeralItabirito

Presidente da Câmara opina sobre prisões em Itabirito e futuro de Rildo na Casa Legislativa

Rildo Xavier, diretor administrativo da Câmara de Vereadores, foi um dos suspeitos presos na última terça-feira (19).

Nesta quinta-feira (21), o presidente da Câmara de Itabirito, Rodrigo Campos Chagas, conhecido como Rodrigo do Porco, abriu as portas de seu gabinete para receber a equipe do Sou Notícia. O vereador não poupou palavras para se posicionar sobre as prisões que movimentaram a cidade na última terça-feira (19) pela Operação Pedra Vermelha e, também, sobre a prisão de seu diretor, Rildo Xavier de Morais, acusado de peculato.

O Sou Notícia foi direto ao ponto, e Rodrigo do Porco não se omitiu sobre o que pensa a respeito do papel dos vereadores na fiscalização das licitações. “Eu não vou cair em sensacionalismo de oposição, a verdade é essa, porque tanto a oposição quanto a situação, todos fiscalizam. Agora, é claro, o que eles querem? Eles querem fazer todo um sensacionalismo, que eles estão certos e que a situação está errada. Tudo por um único objetivo: para nas próximas eleições eles saírem como candidatos e tentarem alguma coisa. Agora eu não esquento com isso não. Eu tenho a minha vida aberta. Eu nunca dependi de Prefeitura, graças a Deus, sempre trabalhei lá na roça, todo mundo sabe da minha vida, quem me conhece. E eu não vou cair nesse joguinho de situação e oposição, não, nessa briguinha, porque eu acho que isso não vai levar a nada. Eu tô pra trabalhar pro povo e vou continuar assim”, respondeu o presidente da Câmara.

Já sobre a prisão de Rildo Xavier, Rodrigo esclarece os motivos de sua contratação e qual será o destino do diretor administrativo da Câmara de Vereadores: “Minha posição em relação ao Rildo é a seguinte: eu o contratei por ter convivido vários anos com ele aqui na Câmara e por ele ser uma pessoa que entende de lei. Nada mais nada menos por isso: pela sua competência. Ele não era condenado a nada. Se ele fosse condenado não poderia estar trabalhando em um órgão público. Agora, diante de todos os fatos, de tudo o que ocorreu, eu vou tomar as medidas cabíveis, que é exonerar ele do cargo, até mesmo para ele poder se defender. Ele, sendo julgado, vai pagar por seu erro. Agora, se ele não for culpado de nada, as portas estarão sempre abertas para qualquer cidadão de bem. O que eu tenho a declarar sobre o Rildo é isso”.

O próximo assunto é como será a rotina da Câmara após a ação da Polícia Civil, e Rodrigo do Porco deixa claro como pretende atual como presidente da Casa Legislativa. “Minha posição é a mesma de quando eu entrei na política: trabalhar para o povo, fiscalizando e trazendo para o Executivo as demandas da cidade. Quem tiver errado, tem que pagar mesmo pelos seus erros. Eu sempre fui dessa opinião. Aprendi isso com meu pai, pela educação que ele me deu: quem é honesto vai subir na vida. Quem não é, tem que pagar pelos erros. Eu não temo nada disso, graças a Deus, pois sou um cara trabalhador e desejo trabalhar com pessoas honestas”, esclarece o presidente.

Na sequência da entrevista exclusiva ao Sou Notícia, a próxima reunião da Câmara foi o assunto. Levando em conta que poderá haver manifestações da oposição durante a noite da próxima segunda-feira, Rodrigo do Porco explica como reagirá aos protestos e cobranças. “Quem tem que julgar é a Justiça. Nós temos é que estar atentos a todas as questões. Mas cabe a Justiça julgar e cabe a quem está sendo acusado se defender. Eu prefiro aguardar a Justiça do que fazer qualquer comentário que possa prejudicar alguém; mas, se fez algo errado, tem que pagar”.

Por fim, as licitações da Prefeitura, que foram alvo de investigações da Polícia Civil, foi o último assunto perguntado. “Em relação às licitações, eu acompanhei pouco. Eu sempre acompanhava depois delas concluídas. Cabe ao Executivo ter a responsabilidade de saber se estava certo ou errado. E se estava errado tem que pagar. E cabe provar se estava certo também”, encerra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
×