Geral

Padre Miguel fala sobre religião, política, aborto, ideologia de gênero e muito mais

Sacerdote da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem cedeu entrevista exclusiva ao Sou Notícia.

A 9ª edição do Jornal Sou Notícia traz uma entrevista exclusiva com o sacerdote da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, padre Miguel Ângelo Fiorillo, que comentou sobre seu trabalho como líder religioso na cidade, além de polêmicas e outros assuntos da atualidade. Na versão impressa, a entrevista teve que ser editada, em função do espaço reservado para a seção. O Sou Notícia disponibiliza abaixo a íntegra da entrevista. Confira!

Como e quando você percebeu sua vocação religiosa?

A vocação é um processo que vai acontecendo no decorrer da existência humana. A minha vocação senti quando criança na minha terra natal (Bento ). Do pároco com as coisas sagradas, com as coisas de Deus e aquilo me despertou a atenção.

Como foi o início dos seus estudos para se tornar sacerdote?

Passado esse período da infância, eu cansei e olhei. Dei outros ouvidos a outras vozes. Terminei naquela época o ginasial, e posteriormente fui para a Universidade Federal de Viçosa, onde iam todos os estudantes da minha região, da minha terra, que é Senador Firmino. E na Universidade Federal de Viçosa senti, novamente o chamado de Deus para a vida sacerdotal. O que imediatamente tranquei a matrícula, fui para minha terra. E daí tratei no ingresso no seminário de Mariana. Isto foi em agosto de 1975. Tornei-me padre no dia 30 de julho de 1983, portanto há 35 anos.

Qual a importância do sacerdócio?

O sacerdócio, além da santificação pessoal, é a grande colaboração que o sacerdote dá para a santificação do seu semelhante.

Quais são os desafios da missão na atualidade?

Os desafios na atualidade é o desafio da evangelização. Evangelizar uma sociedade que está corrompida pela desonestidade, pela ilegalidade, pela corrupção, pela promiscuidade, pelo lucro fácil, pelo enriquecimento ilícito.

Recentemente, o senhor comemorou 35 anos do seu ministério sacerdotal. Como o senhor avalia seu trabalho à frente da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem?

Sou suspeito para falar. Não posso elogiar o trabalho que eu executo. Faço tudo com muito carinho, com muito amor, muita dedicação, cuidado para com a Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, no que tange, aquilo que é a prioridade (que é a vida espiritual). Também sem esquecer das necessidades da administração material da Paróquia, uma vez que a Paróquia é este composto de bens espirituais (que são os seres humanos), esta é a prioridade. E é composta também de bens materiais, que o pároco tem que considerar e zelar, por esse patrimônio.

O senhor tem uma atuação social muito forte na cidade. Poderia falar sobre os projetos sociais que desenvolve aqui.

É muito limitado o tempo para se falar em uma reportagem, porque a nossa ação social desenvolve desde quando aqui nós chegamos há 35 anos atrás. Então, naquela época nossa primeira bandeira foi a descentralização da saúde, e esta descentralização da saúde, ela começou nesse prédio que está aqui hoje. O segundo andar foi feito um convênio com a prefeitura e nós desenvolvemos uma parceria no primeiro centro de atendimento da saúde bucal e médica. Posteriormente, praticamente na mesma época, o prefeito Gastão Melillo criou também a Policlínica da Vila Gonçalo, que está funcionando até hoje. E no ano de 1995/96, o prefeito Geraldo Magno criou a Policlínica do Esmeril, que mais tarde passou para a UPA, que é a Policlínica Celso Matos. E as outras pequenas unidades de saúde, que hoje o município está adotado (no bairro Nossa Senhora de Fátima, Santa Rita, São José e outros lugares). Mostramos para o poder público, no ano de 1983, que era possível descentralizar a saúde. Uma vez que todo movimento de saúde passava pelo hospital e pelo antigo posto de saúde estadual.

Posteriormente, tomamos a iniciativa junto a outros líderes comunitários que foi a construção da Apae, onde tivemos grande participação. E aqui fazemos uma honra especial ao José Alves do Couto (José Galocha). Grande herói da construção da Apae, que está aí prestando um excepcional serviço ao município de Itabirito. Em seguida, participamos de maneira decisiva, da construção da faculdade de Itabirito, juntamente com José Farid, José Rosendo, Cristina Melillo, Bruno Melilo, Edson Marcelino e outras lideranças. Compramos com recurso popular 500 livros. São 20 anos de ensino superior em Itabirito.

Tivemos então a participação nesses projetos, importantíssimos para o desenvolvimento da cidade: a descentralização da saúde, a construção da Apae, a instalação de curso superior, a instalação dos bombeiros, além do nosso trabalho prioritário que é a evangelização, o movimento Debut Cristão. E hoje além desses projetos, nós desenvolvemos o projeto da Casa de Valorização da Vida Maria Reis Chaves, no Córrego do Bação. Onde estamos procurando resgatar vidas, tirando pessoas do uso da droga e outras dependências químicas. Em síntese são esses projetos. Além do zelo, para com o Patrimônio Histórico, sou também um dos membros fundadores do Conselho do Patrimônio Histórico em Itabirito, no ano de 1989.

Nos últimos meses, o senhor tem sido vítima de denúncias ao Ministério Público contra seus projetos sociais. Como você define isso?

Eu fui vítima de uma denúncia anônima e já sei quem é o denunciante. Apenas não vou citar nomes pois não tenho elementos para provar. Mas quem é. Existe um inquérito na polícia para apurar essa denúncia. Este cidadão, que é funcionário público e trabalha na Prefeitura de Itabirito, se serviu de documentação oficial, de uma reunião que foi feita com o senhor Antônio Generoso, o senhor Walison Vidigal, a senhora Maria Lúcia Borges e eu, na Secretaria de Meio Ambiente, onde relatamos algumas pendências que a prefeitura precisava tomar providência. E a providência foi uma denúncia no Ministério Público, no mesmo dia, de maneira anônima, me acusando de falsidade. A única verdade dos cinco itens é que nós não tínhamos o alvará sanitário. E nós não tínhamos esse alvará porque a prefeitura negou e está continuando a negar. Perseguição política. E o denunciante se tornou comparsa de um dos grandes mandatários de Itabirito.

Você também já foi vítima de um boato calunioso sobre um suposto envolvimento amoroso com um militante gay da cidade. O que você tem a falar sobre esse episódio?

Isso foi em 2010, quando tivemos uma denúncia infundada do senhor Geraldo Corradi, um empresário muito mal sucedido, diga-se de passagem, que me acusou sobre uma dívida de R$ 100 mil. E essa mentira foi provada em praça pública, pois eu não devia nada a ele. Depois dele ter feito uma grande campanha, denegrindo meu nome na imprensa, por meio do jornal O Grito, e acusando-me de envolvimento com essa pessoa diferente dos homens. Isso foi desmentindo por meio de uma reportagem no site Minuto Mais. Tudo foi desmentido e a verdade prevaleceu. Não devia nada a esse empresário. Todas as ações que movi contra ele eu venci. E quanto a esse infeliz que atende pelo nome de Leandro ele já vem fazendo uma perseguição há muito tempo. Inclusive me acusou de roubo de pedras. Aquelas pedras que estão posicionadas no Estacionamento Central e eu provei a origem de todas elas. A denúncia desse infeliz não me atinge. Ele que está enlameado na sociedade por todos os problemas que tem. Ele quer tentar apagar os malfeitos dele nivelando conosco. Só que nós estamos muito acima dele pois estamos acima da verdade e da justiça. É um infeliz da vida e da sociedade. Temos que rezar por ele.

Você tomou alguma medida judicial em relação a isso?

Sem dúvidas. Hoje temos inquéritos abertos na delegacia de polícia, sob os cuidados do Dr. Marcos, que eu espero que haja de acordo com a lei. Temos um pedido para que ele prove. Ele disse em alto e bom som que fecharia a clínica e isso faz parte do inquérito. São várias acusações. Segundo informações que eu recebi de um escrivão, ele se nega a comparecer à delegacia para ser ouvido. Ele é covarde.

O que você acha sobre a ideologia de gênero no plano municipal de educação?

Isso não existe. Quem aprova ideologia de gênero, nega a divindade e o sagrado. A palavra de Deus é clara no livro de Gênesis, dizendo que o homem deixa a guarda de seu pai e sua mãe, para se unir à sua mulher, e eles se tornam uma só carne. É uma aberração isso que está espalhado Brasil afora e nós condenamos isso veementemente. Cada um tem o direito de ser o que quiser. Eu particularmente de acordo com a doutrina da igreja, entre a palavra do homem e a palavra de Deus, eu fico com a palavra de Deus. Ele criou dois órgãos genitais, o masculino e feminino, para reprodução.

E o que você pensa sobre o aborto?

A partir da concepção já há vida. Então, cometer aborto é cometer assassinato de um ser indefeso. Um amigo meu, médico e jovem, me disse que uma vez atendeu uma paciente que tinha dois filhos e estava grávida do terceiro. Ela queria abordar a bebê e ele pediu a ela que trouxesse o filho mais novo para mata-lo. Ela então disse que não poderia fazer isso, ao passo que ele respondeu que também não poderia matar o ser humano que estava no útero da mulher. Isso não é religião. É ciência! Já está provado que a partir da concepção já há uma vida em crescimento. Então sou completamente contra a descriminalização do aborto.

Como você avalia o atual cenário político?

Há uma carência muito grande de liderança em nosso país. Nós vemos grandes nomes envolvidos em corrupção. Nesta terça-feira foi preso um dos grandes líderes do PSDB, ex-governador do Paraná, o senhor Beto Richa, candidato a senador, numa tentativa de se esconder na capa de um mandato político para se safar. A situação é crítica de norte a sul, de leste a oeste. Tenho pedido a Deus que nos mande verdadeiros líderes políticos, como nos ensina o livro da sabedoria, lá no capítulo sexto. Feliz o povo que é sábio e se deixa guiar pela lei divina. E mais feliz ainda é o povo que tem um governante sábio, justo e honesto. Então, há uma carência muito grande mas temos uma grande oportunidade de resolver isso no próximo dia 7 de outubro, com a reconstrução da nossa pátria, promovendo a beleza da democracia. Se erramos há quatro anos, temos a oportunidade de rever isso. Se estamos satisfeitos com os políticos, votamos novamente.

Você é muito participativo nas discussões políticas que acontecem na cidade. Tem pretensão de se candidatar futuramente?

Deus me chama para o exercício do sacerdócio. Tenho 35 anos de vida sacerdotal. Essa possibilidade não é descartada. Mas se me perguntarem hoje, respondo que não. Amanhã não sei. O sim que eu disse ontem pode ser o não que eu direi amanhã. Deus me chamou par conduzir um povo e mostrar a beleza da justiça e da legalidade.

Qual o apelo que o senhor faz à população neste ano eleitoral?

O pedido que eu faço é igual a de todos que querem uma nação com mais dignidade, moradia, lazer. Faço um apelo para que o eleitor de boa vontade não se deixe vender e que saibam em quem votar. É preciso analisar a origem dos candidatos e ver quem eles são de verdade. Vemos muitos cabos eleitorais. Hoje mesmo, chegando do cemitério, vi várias senhoras entregando santinhos políticos nas casas. É importante saber quem são essas pessoas; quem manda aquela pessoa ir naquela casa levar os santinhos. Não será que aquela pessoa, e aqui em Itabirito tem muito disso, falo com propriedade, faz conchavos e depois o candidato não faz nada pra cidade pois o voto foi comprado. Vote consciente pois o voto não tem preço. Ele tem consequências!

Que mensagem o senhor deixa para seus fiéis?

Mensagem de esperança; de alegria; de busca e idealismo. Que nós possamos nos voltar para a realização pessoal e em seguida, prezar pela realização do município. Este país tem jeito. É um país rico e lamentavelmente governado por pessoas que querem apenas enriquecimento próprio.

3 Comentários

  1. Palavras do Padre, segundo o texto: “Só que nós estamos muito acima dele pois estamos acima da verdade e da justiça.” Será que eu entendi bem o que o Padre disse? Seria ele o Justiceiro Maior, será que ele se compara ao próprio Deus?

  2. Religião, politica, sistema, seitas, são todos um só! Tudo farinha do mesmo saco…so muda de nome e endereço… ja viu alguma passagem na biblia Jesus citar alguma religião existente? Não! Ele pregava e ensinava as coisas que seu pai ò ordenara! esses cara so arrumam mimimi pra ter mais poder sobre o povo mais fraco!

  3. Não existe ideologia de gênero! O termo correto é IDENTIDADE DE GÊNERO! Na IDENTIDADE de gênero a defesa é pela liberdade individual da pessoa ser reconhecida com o gênero no qual ela se “encaixa”. No gênero que ela sente que é o seu, independente de ter um pênis ou uma vagina! A bíblia utilizada pelo padre para defender a abominação da IDENTIDADE de gênero é a mesma que também diz que devemos amar ao próximo como a ti mesmo! É a mesma bíblia que relata inúmeros encontros de Jesus com pessoas que eram tidas como impuras, pecadoras, etc. Jesus não fazia julgamentos e nem tentava impor a “vontade” de Deus nas pessoas. Jesus era (e é) amor, compreensão, justiça, caridade e benevolência! Não é esse ódio, intolerância e julgamento que seus fieis professam tão incessantemente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
×