Geral

Serra Verde responde críticas sobre o transporte público em Itabirito

Nesta quinta-feira (10), um ônibus da Serra Verde teve problemas no sistema de ar no bairro Padre Adelmo.

Na última terça-feira (08), o Sou Notícia divulgou uma reportagem com o título “Moradores de Itabirito reclamam do transporte público”, dando visibilidade para as críticas que os passageiros têm direcionado à empresa Serra Verde sobre casos de ônibus apresentando problemas durante o itinerário e atrasos nos horários previstos para cada linha. No fim da tarde desta quinta-feira (10), outro veículo da empresa quebrou, tendo problemas no sistema de ar, no bairro Padre Adelmo, em Itabirito.

Em entrevista ao Sou Notícia, o gerente operacional da Serra Verde, Amantino Neto, respondeu às críticas da população de Itabirito em relação ao transporte público. De acordo com Amantino, sobre o caso que aconteceu hoje no Padre Adelmo, uma mangueira de ar estourou, fazendo com o que o veículo tivesse que ser substituído. “Foi uma falha e nós lamentamos por isso, pois gera transtorno na via. Estamos apurando a falha e vamos fazer uma inspeção detalhada na linha do Padre Adelmo para evitar que haja reincidência”, afirma o gerente operacional da empresa.

Sobre os demais casos de ônibus quebrados durante o itinerário, o gerente destaca que todas as empresas de transporte passam por problemas mecânicos. “O que tem que ser feito é manter a frota reserva, para manter um bom tempo de resposta e não parar a linha. Quanto temos algum caso de falhas ou atraso, usamos a frota reserva para poder sanar rapidamente o problema e não gerar prejuízo para a população”, reforça Amantino.

Outro assunto alvo de críticas da população se refere aos atrasos nas linhas do transporte público. Amantino revela que os atrasos não estão sob a gestão da empresa. “Somos fiscalizamos pela Secretaria de Segurança e Trânsito. Nós monitoramos os horários dos ônibus, mas os atrasos não são oriundos da empresa Serra Verde. Eles advêm de eventos que não estão sob nosso controle: trânsito, carros estacionados nas esquinas. A Guarda Civil Municipal de Itabirito nos dá apoio. O usuário, geralmente, reclama do atraso mas não sabe o que está acontecendo e qual é o motivo do atraso. Nosso negócio é dinâmico e depende não apenas de nós. Então, toda vez que tem uma obra do Saae, um caminhão parado em local indevido, carro estacionado em esquina, a Guarda Municipal nos dá o apoio, resolve, mas gera atraso”, frisa.

A falta de acessibilidade para deficientes físicos nos veículos da Serra Verde também foi questionada pelos passageiros. Segundo Amantino, todos os ônibus da Serra Verde são equipados com elevador para cadeirantes. “Nossos motoristas testam os elevadores todos os dias pela manhã, antes de iniciar a viagem. Se não tiver funcionando, o veículo não segue viagem e trocamos o carro. Acontece que, durante a operação, não temos um piso na cidade igual pode ser visto em outros lugares maiores, para que o elevador fique pendurado na calçada. Então, pode acontecer de apresentar problemas. Quando aconteceu, nós inclusive disponibilizamos um ônibus só para buscar o cadeirante para levá-lo sozinho até em casa. Se por algum motivo o elevador não funciona, nós deslocamos um carro vazio apenas para atender o cadeirante. Não deixamos os usuários sem assistência”, argumenta o gerente operacional da Serra Verde.

Já sobre o valor da passagem, que atualmente custa R$ 3,25, e é discutido pelos usuários do transporte público na cidade, Amantino garante que o preço não é estabelecido pela Serra Verde. “Existe uma planilha desenvolvida por um grupo de estudos e é ela que baliza o preço de praticamente todas as empresas do país. Lá, são lançados os valores de custos, insumos, e ela faz o cálculo da tarifa ideal. Inclusive, em Itabirito, a tarifa está defasada. Todo ano, tudo sobe e temos que acompanhar. Gastos com diesel, pneu, inflação está um absurdo e estamos há dois anos sem subir o valor da passagem aqui em Itabirito”, diz.

Por fim, Amantino fala sobre o canal de comunicação da Serra Verde com os itabiritenses. “A população de Itabirito está completamente certa em cobrar e correr atrás dos seus direitos. Mas, o que acontece com muita frequência é que a reclamação nunca vai para o lugar certo. As pessoas reclamam no Facebook, nos pontos de ônibus, nas padarias, mas o operador do serviço e que pode resolver o problema o mais rápido possível, é o último a saber. Temos um formulário de atendimento lá na empresa e, as vezes, ficamos semanas sem receber nenhuma reclamação. Então, não conseguimos tratar um problema que desconhecemos. Então, quem tiver alguma dúvida ou reclamação, é só ligar no 3561-6844 e falar com quem de fato poderá resolver o problema”, finaliza.

Tags

Artigos relacionados

Um comentário

  1. Motorista estão alegando que estão trabalhando forçado com ônibus em estado deploráveis sem falar que a frota está andando com pneus que a vale do rio doce não aceita poi pneus velhos do lado de dentro para as pessoa não vê e coloca meis vida de fora sem contar que vemos de reto motorista pendendo passageiros em portas sabe quando vai para o dia que pender a mãe do Alex na porta isso se ela anda de ônibus né que são senhores não é culpa dos motoristas e sim falta de cobradores escuta só vai morre um idoso para acabar com essa palhaçada de sem cobrador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close