ComportamentoGeralItabirito

Brigadistas do Saae participam de reunião de Monitoramento de Incêndios florestais

Dois integrantes da equipe de brigadistas do Saae de Itabirito, Sheila Góis e Aldair da Silva, participaram na última terça-feira (09) de uma reunião no restaurante Horizontes (antigo Topo do Mundo) para alinhar ações de prevenção e combate aos incêndios florestais no entorno da BR 040, principalmente nas áreas da Estação Ecológica de Arêdes e no Monumento Natural Serra da Moeda.

O grupo de brigadistas do Saae é composto por 24 servidores e tem como função atuar no atendimento básico em situações de princípio de sinistro dentro do ambiente de trabalho, além de trabalharem como voluntários no combate aos incêndios florestais na região.

Durante o encontro, que contou com a participação de representantes do Instituto Estadual de Florestas, da Câmara Municipal de Moeda, de condomínios da região e das empresas Vale, Gerdau, Safm, MSM, Via 040, Coca Cola Femsa e Saae , foram definidos objetivos e metas do grupo, além de alguns planos de ações e calendários de novos encontros.

A técnica em segurança do Trabalho do Saae, Sheila Góis, considerou a reunião muito positiva e informou que o encontro serviu para tratar de ações preventivas para a época de estiagem, entre julho e setembro, que se aproxima e é propícia para o aparecimento de incêndios.

Segundo Sheila, quanto mais cedo os envolvidos puderem se organizar mais rápido eles poderão dar uma resposta às ocorrências. “Nossa intenção é que em junho já estejamos prontos, para quando chegar o período mais crítico, nos meses de agosto e setembro, nossas respostas sejam rápidas aos focos de incêndios”, finalizou.

A criação da Brigada de Incêndio do Saae foi uma das condicionantes para o funcionamento da Unidade de Tratamento de Água (UTA), na BR 040, dentro da zona de amortecimento do Monumento Natural Serra da Moeda.

Responsável por abrigar um grande acervo cultural e ambiental, a Estação Ecológica de Arêdes tem atualmente 1.281 hectares e está localizado em Itabirito. O Monumento Natural Estadual da Serra da Moeda é integrante do Sistema de Áreas Protegidas do Vetor Sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte, integrando os municípios de Moeda e Itabirito e possui área de 4.647 hectares.

Tags

Artigos relacionados

2 Comments

  1. Mais um recado para os Órgãos de Controle Ambiental de Itabirito, deste Estado e deste País! Órgãos que não existem na prática ou são só cabides de emprego: a VALE S/A tem feito o que quer com os cursos d’água em Itabirito. O Rio Itabirito já está morto há anos. Os seus contribuintes, dentre eles o tão importante e combalido Córrego Seco que abastece boa parte da cidade de Itabirito, que por sua vez era contribuinte do Córrego da Carioca. Ambos estão agonizantes. Exatamente onde está a ETA que abastece boa parte da cidade está secando, só corre água nos períodos chuvosos e quando corre derrama o sangue vermelho das entranhas da nossa terra, da natureza tão bonita da região do Pico do Itabirito e da Estação Ecológica de Arêdes em seu leito! Que país é este? Que leis são estas? Afinal quem manda nessa Zorra? Então VALE tudo? Uma empresa acha que pagar Royalties pela exploração mineral lhe dá o direito de deixar o povo sem água e sem vida, uma cratera para enterrar seus mortos no futuro? Empresa maldita, sem princípios e sem valores, que não se preocupa com a comunidade onde está inserida. A VALE S/A considera que arrumar empregos para os cidadãos itabiritenses é tudo e basta. Com isto ela pode degradar, poluir, esbulhar as propriedades e toda a natureza que resiste bravamente em sobreviver! Vão fazer isto nas suas casas Senhores Acionistas desta empresa, a maior mineradora do mundo e que não está nem aí para Itabirito! O mundo inteiro, os compradores de minério da VALE S/A deveriam saber destas atitudes da empresa. Só não interessa à China, que é uma raça pior ainda. Os porcos se beijam! Querem o retorno do capital aplicado em ações das empresas e o resto que se dane. Não se esqueçam de que a terra e a natureza não tem fronteiras e com certeza um dia haverão de chorar pelo desastre irremediável que estão preparando para nossa querida Itabirito. Os empregados da VALE S/A em todas as minas da empresa se borram ao pensar em criticar as degradações ambientais que eles sabem que acontecem nesta maldita empresa. É a chantagem que substituiu a chibata da escravidão, o medo de perderem os seus empregos. Empregos que são trocados por migalhas e submissão! Isto me dói porque se contabilizarmos o lucro que esses crápulas já tiraram da nossa cidade daria para reverter uma parcela significativa da degradação que causaram no Pico de Itabirito e nas outras minas matando as nascentes de água, seria suficiente para manter o meio ambiente em equilíbrio. País maldito! Empresários covardes! Políticos safados! Mesmo uma pequena parte já seria a solução, mas a usura dessa gente já virou um aleijão (Gil)!

  2. O SAAE DE ITABIRITO DEVERIA VISITAR A NASCENTE DO CÓRREGO SECO NO RETIRO DA PRATA, NA BORDA DA CAVA DA MIN DO PICO!!! ABSURDO QUE ESSAS MINERADORAS LIDERADAS PELA VALE S/A CONTINUEM A POLUIR E ACABAR COM OS MANANCIAIS DE ÁGUA. Cadê CODEMA, FEAM, COPAM e outros Órgãos de controle ambiental mantidos COM OS IMPOSTOS QUE PAGAMOS e que tem a obrigação legal de agir quando são demandados: IGAM, Comitê da Bacia do Rio das Velhas, Subcomitês das bacias dos Rios, IEF, IBAMA, ICMBio, MPMG, e outros? Será que nenhum destes Órgãos vai resolver as questões desta mineradora que matou centenas de pessoas e nascentes de água em Mariana, Itabirito, Moeda, Brumadinho e Barão de Cocais?

Deixe uma resposta para COCEIRA Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close