ComportamentoGeralItabirito

Requerimento de vereador pede à Vale que indenize associações comunitárias de Itabirito pelo cancelamento da Julifest 2019

Por causa do cancelamento da Julifest 2019, em Itabirito (MG), o vereador Toninho da Associação (MDB) pediu à Vale que indenize as associações comunitárias itabiritenses. O requerimento, deferido pelo presidente da Câmara Rodrigo Campos Chagas (o Rodrigo do Porco – PSD), foi também destinado ao Ministério Público para que o órgão estadual possa fazer a mesma exigência à mineradora pela via judicial.

A Julifest é uma das maiores festas do interior de Minas. O evento acontece uma vez ao ano em Itabirito e traz, em seus quatro dias de duração, um show de renome nacional por dia para atrair público de todo estado. Chega a reunir até 40 mil pessoas quando há show muito concorrido. O festival fomenta a economia local: hotéis, postos de gasolina, supermercados, barraqueiros da orla da festa etc. Contudo, são as associações comunitárias itabiritenses (que participam por meio de barracas estilizadas) as que mais arrecadam com o evento. Nos quatro dias de festa, uma associação chega a faturar 50 mil reais. Trata-se da principal fonte de arrecadação dessas instituições.

Depois das tragédias de Mariana e Brumadinho e as consequentes mudanças na classificação das barragens, a Julifest foi cancelada. Isso porque se concluiu que seria arriscado reunir um número expressivo de pessoas em uma área de Itabirito com a possibilidade de rompimento de barragens de rejeito cuja lama atingiria o município.

Ou seja, cancelou-se a mais tradicional festa de Itabirito por uma situação que tem a ver diretamente com a mineradora. Por isso, segundo o vereador, indenizações, pelo menos para beneficiar as associações comunitárias, são necessárias. Tais entidades, em seu dia a dia, já enfrentam, com a Julifest, dificuldades financeiras para promover suas ações. Sem a festa então, a situação se torna ainda mais caótica.

“Como não terá a festa, as associações ficarão prejudicadas. Elas venderiam em média de 80 mil a 90 mil reais, e lucrariam de 45 mil a 50 mil reais. A responsabilidade pela não realização da festa é da Vale. Seriam indenizadas somente as entidades que participaram das duas últimas edição da Julifest. É por meio do dinheiro da festa que as associações sobrevivem. Dinheiro esse que não receberão este ano”, disse Toninho.

Procurada, por meio de telefonemas e e-mail, a Vale ainda não se pronunciou. Quando a resposta da mineradora vier, será publicada.

Artigos relacionados

4 Comments

  1. Que absurdo uma coisa dessa em vez de se preocupar com os funcionários próprios e terceiros ou com a economia do município que vai de mal a pior se preocupar com indenização para associações de bairro? o que as associações fazem de tão importante para os bairros assim? com os prêmios e o dinheiro arrecadado nas festas anteriores o que fizeram para os bairros? Porque que ao invés de ir no ministério publico pedir por indenização não vão pedir para que a vale volt ao normal o mais rápido possível e que Itabirito volte ao normal na economiae por favor fiscalizem mais essa prefeitura

  2. ABSURDO QUE ESSAS MINERADORAS LIDERADAS PELA VALE S/A CONTINUEM A POLUIR E ACABAR COM OS MANANCIAIS DE ÁGUA. Cadê ANM, CODEMA, FEAM, COPAM e outros Órgãos de controle ambiental mantidos COM OS IMPOSTOS QUE PAGAMOS e que tem a obrigação legal de agir quando são demandados: IGAM, Comitê da Bacia do Rio das Velhas, Subcomitês das bacias dos Rios, IEF, IBAMA, ICMBio, MPMG, e outros? Será que nenhum destes Órgãos vai resolver as questões desta mineradora que matou centenas de pessoas e nascentes de água em Mariana, Itabirito, Moeda, Brumadinho e Barão de Cocais?

  3. O SAAE DE ITABIRITO SABE QUE A VALE S/A SECOU A NASCENTE DO CÓRREGO SECO NO LOCAL DENOMINADO RETIRO DA PRATA. NA ÉPOCA A DIRETORA ERA A DÓRIS GARISTO LINS. ELA RECLAMOU E FOI DEMITIDA DO SAAE. A MALDITA EMPRESA CONSTRUIU UM CANAL DE DRENAGEM DE MAI DE 2 KM DE EXTENSÃO DENTRO DA PROPRIEDADE SEM LICENCIAMENTO AMBIENTAL E SEM ANUÊNCIA DO DNPM. FOI CONDENADA POR “ESBULHAR A PROPRIEDADE”, O QUE SIGNIFICA TOMAR POSSE DAQUILO QUE NÃO LHE PERTENCE, OU EM SUMA, ROUBAR! MAS JÁ RECORREU EM SEGUNDA INSTÂNCIA! MALDITA EMPRESA, MALDITA JUSTIÇA! A POPULAÇÃO DA CIDADE TEM QUE CONHECER O LOCAL PARA PRESERVAR UMA ÁREA DE EXTREMO INTERESSE PARA A COMUNIDADE!!

  4. Engraçado que quando não teve julifest em 2015,ninguém pediu indenização para as associações, agora querem que a Vale assuma o prejuízo das associações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close